Praça Seca abandonada ao tráfico com sua delegacia invisível e batalhão de PM inoperante

By | November 25, 2013

favela-chacrinha-jacarepaguaRio – Este final de semana foram dias normais no bairro da Praça Seca, um morador da comunidade Bateau Mouche foi assassinado no sábado, e no domingo tiros foram disparados a partir da rua Cândido Benício em direção à comunidade da Chacrinha, o trânsito foi interrompido e motoristas desesperados voltaram pela contra-mão para evitar o confronto que não foi tão grande como outros que já tivemos, mas o medo já está instalado e ai qualquer estampido apavora as pessoas.

A situação atual é a seguinte: o morro da Covanca recebeu uma companhia destacada de policiamento que é efetiva na parte baixa do morro, a área superior de mata ainda é dominada por vagabundos, o Bateau Mouche é controlado parcialmente pela vagabundagem, o São José Operário é controlado em sua totalidade por traficantes do Comando Vermelho e a favela da Chacrinha dominada por uma quadrilha de milicianos.

Há duas semanas houve uma operação das forças especiais da PM no São José Operário mas não havia um traficante no morro, este tipo de operação deve ser feito sem conhecimento do 9º BPM para que os traficantes não fujam com antecedência.

O Comando Vermelho não quer apenas mais lugares para vender drogas, quer controlar esta área da cidade e ter segurança para estocar drogas e armas, casas para esconder traficantes da mesma facção que fogem de outras comunidades, enfim, mais um quartel-general que será usado para fortalecimento da quadrilha e continuação de seus planos de dominar outros pontos da cidade.

Este plano de poder só não está vigente por conta da atuação da milícia da Chacrinha, essa é a “segurança pública” de Jacarepaguá, uma quadrilha de criminosos protege, é claro que por seus interesses, uma comunidade inteira e impede a expansão do tráfico, já que por vezes fazem “patrulhas” no Bateau Mouche. Estas rondas que estão impedindo a instalação das bocas de fumo no Bateau, os traficantes não tem tranquilidade para se estabelecer totalmente na favela por que sabem que a qualquer momento podem sofrer um ataque dos milicianos.

Este é o resultado do que deveria ser a segurança pública que o estado é obrigado a nos fornecer, uma quadrilha, com atuação e interesses diferentes do tráfico, é a única coisa que impediu até agora que Jacarepaguá se transforme no Complexo de Jacarepaguá, mais um bastião do tráfico. Não gosto de milicianos, não gosto das extorsões a moradores e comerciantes, não gosto do baixo clero da milícia que frequentemente humilha moradores em frente à suas famílias, mas é o que temos, o estado se omite e o poder paralelo evita que um bairro inteiro se torne um reduto do tráfico com os assaltos, arrastões e a multidão de zumbis do crack.

Muita gente de Jacarepaguá pede socorro, eu não estou pedindo socorro, estou pedindo para o poder público real tomar vergonha no focinho e resolver este problema, queremos o tráfico e a milícia fora daqui.

 

 



 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *