Polícia investiga motivo de PMs envolvidos na morte de jovem no Campinho, RJ, estarem fora de sua área

By | February 25, 2014

Fabiano-de-Oliveira-BragaFonte: Jornal Extra

O delegado Orlando Zaccone, titular da 30ª DP (Marechal Hermes) já oficiou a Polícia Militar para saber o que quatro soldados envolvidos na abordagem a Fabiano de Oliveira Braga, de 17 anos, estavam fazendo fora da área de atuação deles, na Companhia Destacada do Morro São José Operário.

O delegado irá ouvir ainda dois amigos da vítima e supostas testemunhas do caso. Ontem, o corpo do jovem foi enterrado, no Cemitério de Sulacap, ao lado do avô, major da PM. Zaccone ainda aguarda o laudo com a causa da morte do jovem e o resultado da perícia, feita na moto.

O EXTRA percorreu o caminho que o cabeleireiro Carlos Vitalino Cardoso, de 22 anos, contou ter feito pilotando uma moto na qual Fabiano estava na carona, na madrugada de domingo. Do bar onde estavam, na Rua Capitão Macieira, até onde teriam passado pela viatura, próximo ao número 505 da Rua Maria José, os dois teriam percorrido de 300 metros. Neste ponto, Carlos conta que ultrapassou os PMs e eles não teriam feito qualquer menção para eles pararem.

Fabiano-de-Oliveira-Braga-moto

Na esquina da via com a Rua Conde de Linhares, 500 metros a frente, teria ocorrido a abordagem. Em depoimento, os militares contam que a perseguição acontecia desde a Rua Domingos Lopes, por onde o jovem nega ter passado. Os militares contaram que os rapazes só pararam depois que um dos pneus furou. Já Carlos, garante que um dos PMs furou o pneu com uma faca.

Carlos nega que tenha havido revista ou pedido de documentação. Segundo ele, os PMs mandaram eles se apoiarem numa mesa de sinuca de um bar que estava fechado e já chegaram dando socos e coronhadas em Fabiano, que morreu depois de cair e bater com a cabeça do chão. Ele foi levado para a UPA de Madureira. Ao registrar o caso na delegacia, os soldados chegaram acompanhados de advogados e alegaram que o menino caiu no chão, sem explicar como. Eles estão presos administrativamente.

 



 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *