José Júnior será ouvido pela polícia sobre ataques do Comando Vermelho ao AfroReggae

By | November 12, 2013

Fonte: Jornal Extra

A Comissão Disciplinar do Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná, vai ouvir, na manhã desta quarta-feira, três testemunhas dos ataques às sedes do AfroReggae nos complexos do Alemão e da Penha, entre elas o coordenador da ONG, José Junior. Ele vai depor por videonconferência. A comissão investiga se os traficantes Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, e Marcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, ordenaram, de dentro da unidade (onde estão presos), os atentados. Os dois já foram indiciados pela Polícia Civil do Rio de Janeiro por terem sido dado as ordens para os ataques.

 

Foto: Glauco Araújo/G1

Foto: Glauco Araújo/G1

 

Além de José Junior, Rogério Menezes, o Gaúcho, também integrante da ONG, vai depor por videoconferência. Já uma das irmãs de VP, Silvia Santos, será ouvida no próprio presídio. A audiência está marcada para começar às 9h. Beira-Mar e Marcinho VP também serão interrogados pela comissão, que vai decidir se eles cometeram falta leve, grave, gravíssima, ou então que não houve qualquer infração. Em seguida, o relatório final será encaminhado para a Vara de Execuções Penais (VEP) de Catanduvas.

A vara é que vai decidir se Beira-Mar e VP vão permanecer no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), no qual estão provisoriamente desde agosto, quando foram apontados suspeitos de ordenarem os ataques. Os traficantes serão ouvidos pela VEP nesta quinta-feira.

‘Salve para Juninho’

De acordo com relatório de inteligência da penitenciária de Catanduvas, VP e Beira-Mar foram flagrados, em conversa dentro da unidade, planejando os ataques à ONG. Eles tiveram autorização para conversar, e o diálogo foi gravado. “Manda um salve para o Juninho”, disse Beira-Mar para VP. Para a direção da unidade, foi o código para os atentados, já que os traficantes estavam conversando sobre os desentendimentos entre o pastor Marcos Pereira, preso acusado de estuprar fiéis, e José Junior, coordenador do AfroReggae.

A conversa entre os dois bandidos foi gravada no dia 10 de maio. As sedes da ONG nos complexos do Alemão e da Penha, na Zona Norte, foram alvos de pelo menos cinco ataques. Uma das sedes chegou a fechar as portas porque, de acordo com José Junior, um líder comunitário havia repassado um recado de traficantes, avisando que, se a ONG não deixasse o complexo, uma bomba seria jogada em sua sede. Dias depois, no entanto, ele voltou atrás e reabriu o local.

Na época dos ataques, o coordenador da ONG afirmou que a ordem para os ataques tinha sido dada pelo pastor Marcos Pereira e levada à comunidade por duas irmãs de Marcinho VP. Elas, ainda de acordo com José Júnior, ocupam cargos administrativos na Assembleia de Deus dos Últimos Dias, igreja de Pereira, que está preso acusado de estuprar fiéis.

– Se o AfroReggae está saindo, é porque o tráfico ainda dá as cartas – disse, na ocasião, o coordenador.
Em depoimento, Marcinho VP e Beira-Mar disseram ainda ter bom relacionamento com José Júnior. Os dois também admitem conhecer o pastor Marcos Pereira, preso desde maio deste ano.

 

Pablo Jacob / Agência O Globo

Pablo Jacob / Agência O Globo

 



 

One thought on “José Júnior será ouvido pela polícia sobre ataques do Comando Vermelho ao AfroReggae

  1. Rodrigo vasare

    Junior e o pastor sao farinha do mesmo saco, os dois sempre andaram com bandidos. Jinior agora ficou forte com apoio do governados esta tendo seus mimutos de fama. Os amigos do Jr. nao vaoatar ele.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *