Deputado Marcelo Freixo e o oportunismo dos defensores dos direitos humanos

By | November 28, 2013

marcelo-freixoRio – Não é necessário ser sociólogo, antropólogo ou amigo do deputado Marcelo Freixo para saber que o alto índice de jovens na criminalidade se deve a histórica falta de políticas públicas na área de educação, saúde e criação de empregos, até a mais ignorante das criaturas sabe disso porque é coisa repetida como um mantra desde o século XIX.

Não é uma máquina que escreve este texto, é claro que sou a favor de qualquer política de proteção aos direitos humanos, quem incentiva e aplaude tortura e frases como “bandido bom é bandido morto” não imagina que um dia pode ser parado em uma blitz por um policial que siga esta mesma linha de pensamento e levar uns tapas na cara por estar com o IPVA atrasado.

O que incomoda a mim são oportunistas como o deputado Freixo, seus discursos são feitos sempre contra os mais fracos, a ponta da corda do estado que são os funcionários do baixo clero, policiais militares, policiais civis, agentes do Degase e inspetores da Seap. É um discurso fácil e perfeitamente assimilado por quem admira o parlamentar. O trabalho de segurança pública é o único do mundo que não importa como o profissional faça, bem ou mal, sempre será criticado.

Tomando como exemplo a repressão às manifestações de rua pelo Batalhão de Choque da PM, é claro que tem um ou outro maluco que enfia a porrada mesmo e extrapola suas funções. Por outro lado vemos vídeos em que claramente pessoas provocam a exaustão os policiais e quando levam um tiro de borracha ou um tapa choram como meninas. O mais incrível é ver pessoas que conheço mostrando estes vídeos e falando sobre a tal brutalidade policial, fico com a impressão de que só eu vi que o policial foi provocado para fazer aquilo, é uma espécie de cegueira seletiva.

Pouca gente sabe, porque simplesmente não se importa, que aquele policial do BPChoque que está aturando estudantes magrelos as oito da noite xingando-o de todos os palavrões, as quatro da manhã estava na Favela de Antares, por exemplo, trocando tiros de fuzil com marginais do Comando Vermelho. Exatamente assim, o Choque funciona como um segundo Bope e como os homens trabalham em regime de plantão e passam a noite acordados, pela madrugada invadem uma favela e a noite vão aturar bebês mal-criados no centro da cidade.

O deputado é conhecido por sua atuação na CPI das Milícias, não posso dizer que não foi um grande trabalho, dezenas de criminosos foram para a cadeia e alguns com mandato parlamentar foram cassados. Mas é importantíssimo lembrar que quem manda na Alerj é o governo do estado por sua maioria na casa, se esta CPI andou para frente foi porque o governador Sérgio Cabral queria se livrar dos políticos milicianos que lhe deram apoio, o deputado neste caso foi apenas um instrumento das forças do poder.

Gostaria que este político se preocupasse mais em pensar e agilizar projetos de políticas públicas que melhorem a qualidade de vida das pessoas que estão vulneráveis à criminalidade, trabalhar como um verdadeiro deputado estadual pelas pessoas que o elegeram, só criticar é muito fácil.



 

2 thoughts on “Deputado Marcelo Freixo e o oportunismo dos defensores dos direitos humanos

  1. Avô Preocupado

    Parabéns!
    Observo que você tem melhorado (em muito) os seus textos.
    Continue assim, mas acredito que você pode melhorar mais.
    Me perdoe se estou sendo indelicado em dar um pouco de minha humilde opinião.
    Como já havia escrito em outro depoimento, não se esqueça da isenção.
    Ser isento não é deixar de cobrar as autoridades a lição que eles deixaram de fazer. Aliás, você o fez muito bem nesta matéria.
    Lembre-se! Quando a população tem muitos porquês e é divulgado para que todos questionem a mesma coisa, isto fará com que alguém apareça com a resposta ou até mesmo a solução.
    Por exemplo: Se a Covanca tem uma companhia destacada e o tráfico ainda manda no local. Devemos questionar ao secretário de segurança o por quê disto estar acontecendo e pedir para que este secretário cobre da Chefe de Polícia Civil uma solução com resultados positivos.
    O politico é regido pelo voto popular, então, ele tem uma rédea. Tem que fazer pressão para que se tenha resultados e fazer, também, com que as emissoras de TV se sintam pressionadas a fazer o mesmo questionamento às autoridades. Questionar a falta de resultados da Chefe de Polícia Civil (investigações) por não se empenhar na apresentação de resultados convincentes para a população. Cobrem ao Vice-Governador Pezão, ele vai fazer tudo andar e fazer com que vocês tenham sucesso em suas questões. O motivo dele atender aos pedidos é simplesmente votos!
    Ouça com muita atenção esta crítica de Arnaldo Jabor:

    http://cbn.globoradio.globo.com/Player/player.htm?audio=2013/colunas/jabor_131128

    Mais uma vez, sucesso e parabéns!

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *