Tag Archives: Traficante Toulon

Segurança Pública Trabalho policial Tráfico de drogas

Traficante Toulon, chefe do tráfico na Favela Para Pedro é morto pela PM na Zona Norte

Traficante-ToulonFonte: O Dia
Por Guilherme Santos e Marcello Victor

Rio – Um dos bandidos mais procurados do Rio e acusado de tentar retomar o controle total do comércio de drogas na Favela Para-Pedro, em Colégio, na Zona Norte, Josiel Gomes de Souza, o Toulon, morreu na noite deste sábado durante uma perseguição policial na Estrada do Quitungo, em Brás de Pina, na Zona Norte. Ele estava com mais dois suspeitos. Um foi morto e ainda não foi identificado.

Bruno Eduardo da Silva Procópio, 33, o Piná, apontado pela polícia como o segundo homem na hierarquia do Complexo da Penha ficou ferido na ação dos policiais do 41º BPM (Irajá) e está preso sob custódia no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Eles sofreu ferimentos em decorrência fa batida do veículo em um poste. Ainda não há informações sobre seu estado de saúde. O Disque-Denuncia oferecia R$ 5 mil por informações que levassem a sua captura.

Segundo o tenente-coronel Luiz Carlos Leal, comandante do 41º BPM, o setor de inteligência da PM recebeu a informação de que Toulon iria tentar atacar a comunidade mais uma vez e um cerco foi montado na região, que tem sofrido com a guerra do tráfico. Contra ele havia uma mandado de prisão por homicídio qualificado. O Disque-Denúncia oferecia R$ 1 mil por informações sobre o bandido.

Ainda de acordo com o oficial, Toulon e os comparsas estavam em um Astra que furou o bloqueio da PM. Houve perseguição e troca de tiros. O veículo em que os bandidos estavam acabou batendo e a viatura colidiu também no Astra. No carro, os PMs reconheceram Toulon pela tatuagem de índia no braço e por um ferimento provocado por disparo de arma de fogo há algumas semanas na altura do ouvido. Também foi encontrada uma pistola calibre 40 com o criminoso preso. Ele e o comparsa foram socorridos, mas não resistiram. O local foi periciado.

De acordo com o Serviço Reservado do 41º BPM, Toulon teria recrutado cerca de 30 homens para tomar todo do Para-Pedro. O controle da venda de drogas na comunidade está dividida entre duas facções criminosas. O grupo dele possivelmente sairia do Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, onde aos sábados é realizado um baile funk, para atacar os rivais.

Segundo informações do Disque-Denúncia, Piná faz parte do tráfico de drogas que age no Complexo da Penha, e ainda gerencia alguns pontos de drogas em algumas comunidades. Contra ele havia um mandado de prisão por associação para o tráfico. O acusado também tem passagem pelo mesmo crime, além de porte ilegal de arma restrita, tráfico de drogas e roubo. Ele seria primo do traficante Luiz Fernandes Procópio Ferreira, o Escobar, preso em abril do ano passado por policiais da 22ª DP (Penha).

A ocorrência foi registrada na 22ª DP.

Toulon teria sido baleado por comparsa no Para-Pedro

Como em qualquer enredo de novela, a guerra entre facções rivais que há semanas atormenta moradores do Para-Pedro, pode ter tido seu capítulo de traição. De acordo com a polícia, um dos cabeças do Comando Vermelho (CV) que retomaram o controle das bocas de fumo da favela, Toulon teria sido baleado por um de seus seguranças há algumas semanas. O tiro, disparado pelas costas próximo a um campinho de futebol, teria atingido a nuca dele.

Na época, policiais vasculharam unidades de atendimento. Além disso, havia a informação de que ele estaria refugiado no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na casa de parente.

A versão de que Toulon teria sido baleado foi confirmada por bandidos presos no dia 13, na Estrada do Colégio e na Avenida Brasil. Nos depoimentos, um dos detidos contou informalmente que quem atirou pelas costas era comparsa de Toulon, que teria sido destratado por ele.

Além disso, boa parte da quadrilha dele estaria insatisfeita com as trocas constantes de facção, já que o chefe já pertenceu ao Terceiro Comando Puro (TCP) e aos Amigos dos Amigos (ADA).

Desde o fim do ano passado traficantes do CV e TCP duelam pelo controle integral da favela. Há pouco tempo, ambas detinham o controle da venda de drogas de pontos diferentes. Somente no dia 13, seis fuzis foram apreendidos, três suspeitos morreram e 19 pessoas foram parar na 39ª DP (Pavuna).

 



 

Segurança Pública Tráfico de drogas

Traficante Toulon é baleado na cabeça na favela Para Pedro em Irajá, RJ

Traficante-ToulonFonte: Jornal Extra

O traficante Josiel Gomes de Souza, o Toulon, responsável pela invasão de traficantes do Juramento e de Antares à favela Para Pedro, no Irajá, foi baleado na cabeça na última segunda-feira. A informação foi confirmada por agentes da 39ª DP (Pavuna) que fazem buscas pelo traficante por hospitais da cidade. A polícia investiga, agora, quem foi o responsável pelo disparo. Ontem, testemunhas contaram na distrital que um morador insatisfeito com os constantes tiroteios teria feito o disparo quando avistou o bandido.

Toulon é nascido na comunidade, mas foi expulso pela facção que dominava o local no fim de 2012. Desde então, passou a peregrinar por favelas dominadas por facções rivais para arregimentar bandidos para invadir a Para pedro. De um ano para cá, já foram três tentativas de invasão.

A Polícia Civil também descobriu que a fuga de bandidos da Para Pedro para o Amarelinho na última segunda-feira foi ainda maior do que se imaginava. Além dos 13 bandidos presos num caminhão na Av. Brasil, uma van e outro caminhão também saíram do Para Pedro com cerca de 20 bandidos. Traficantes dentro da van trocaram tiros com PMs do batalhão de Policiamento de Vias Expressas (BPVE) na Av. Brasil, mas conseguiram escapar. Já o caminhão chegou ao Amarelinho sem ser interceptado. O motorista do veículo, relatou, na 39ª DP, que foi rendido pelos bandidos e obrigado a fazer o transporte.

A atual tentativa de tomada da Para Pedro dura um mês. Ontem, segundo o comandante do 41º BPM (Irajá), tenente-coronel Luiz Carlos Leal, bandidos do Amarelinho tentaram voltar à favela. Houve tiroteio durante a tarde e a polícia ocupou a favela com a ajuda de um blindado e do helicóptero da PM.

 



 

Segurança Pública Tráfico de drogas

Traficante Toulon tenta retormar o controle da favela Para Pedro em Irajá

favela-para-pedroFonte: Extra

Há um ano, Carlos Henrique Corrêa Brito, o Toulon, não dá mais as cartas no tráfico de drogas na favela do Para Pedro, em Irajá. O criminoso de 28 anos foi expulso da facção por seus antigos subordinados em dezembro de 2012. Ao longo de 2013, peregrinou por diferentes favelas com o objetivo de formar grupos para retomar seu antigo território. Em 11 meses, Toulon já fez parte de duas facções rivais e comandou três invasões à comunidade. Desde a madrugada de domingo, o traficante lidera um grupo rival que veio de Antares num confronto que já deixou pelo menos dois mortos na favela, localizada a 50m do 41º BPM (Irajá).

Ontem, 20 PMs ocuparam a favela, com o apoio de um caveirão, e nenhum disparo foi ouvido. Entretanto, o EXTRA circulou pelos acessos e constatou que, em dois deles, barricadas formadas por caixotes e sofás dificultavam a passagem de viaturas.

De domingo até ontem, a polícia apreendeu dois fuzis — um de cada facção —, três pistolas e uma granada na favela. Na segunda-feira foram presos três integrantes do bando de Toulon: Igor Gomes Arantes, Rafael Moraes Cutalo e Rodrigo Souza Baia. Na terça-feira, André Luís da Silva e outro homem não identificado — ambos, segundo a PM, bandidos do Para Pedro — foram mortos.

Em 2013, Toulon tentou invadir o Para Pedro em março e agosto. Nas duas ocasiões, segundo o serviço reservado do 41º BPM, ele estava acompanhado de bandidos dos morros da Pedreira e da Quitanda, que conseguiu arregimentar graças a seu bom relacionamento com o ex-chefão das favelas: Anderson da Silva Verdan, o Bamba. Após a prisão do bandido, em julho, Toulon perdeu força e, chamado de traidor, foi expulso. Dois meses depois, foi para Antares.

Já quem manda no Para Pedro é o antigo braço direito de Toulon, conhecido como Perna. Somente nesse ano, ele foi preso duas vezes por PMs do 41º BPM. Atualmente, está solto.