Author Archives: editor

Acionada por transeunte polícia prende ladrões de moto em Marechal Hermes

Rio – Uma viatura da PM estava em patrulha na rua João Vicente, próximo à UPA de Marechal Hermes quando foi alertada por um transeunte que havia acabado de ter sua moto roubada por dois homens.

A guarnição policial percorreu algumas ruas do bairro encontrando a moto e os dois vagabundos minutos depois, os homens foram abordados e presos sem oferecer resistência. A ocorrência foi registrada no 20ª DP.

ladroes-de-moto-marechal-hermes

 



 

PM prende o traficante Chapinha chefe da venda de drogas da favela do Sapo em Senador Camará

Rio – Durante incursão na favela do Sapo em Senador Camará, policiais militares prenderam o traficante Chapinha, que, segundo a polícia, é o chefe da venda de drogas na favela. Foi preso também seu braço direito conhecido como Orelha, o bonitão com a camisa do Flamengo na imagem.

Com a dupla foram apreendidos um fuzil 7.62, uma submetralhadora, carregadores e munição, além de drogas não contabilizadas. Ocorrência encaminhada para a 34ª DP.

traficante-chapinha-favela-do-sapo

traficante-chapinha-favela-do-sapo-armas

 



 

Operação Amigos SA, oficiais do alto escalão da PM são presos por corrupção

coronel-Alexandre-FontenelleFonte: G1

Uma operação para prender 24 policiais militares suspeitos de participarem de um esquema de propinas na Zona Oeste do Rio é feita nesta segunda-feira (15) em vários pontos da cidade. A ação, batizada de Operação Amigos SA, é comandada por agentes da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública, e conta com apoio da Corregedoria-Geral da Polícia Militar, e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, e visa cumprir ao todo 25 mandados de prisão e 43 mandados de busca e apreensão. Às 10h, 21 pessoas já tinham sido presas, inclusive o ex-comandante coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro de Oliveira, que é o chefe do Comando de Operações Especiais (COE) da PM.

O oficial é considerado o terceiro homem na hierarquia da PM e foi preso em casa no Leme, Zona Sul do Rio. Outro oficial que teve a prisão confirmada é o major Carlos Alexandre de Jesus Lucas, também lotado no COE. Na casa de outro oficial, o major Edson Alexandre Pinto de Góes (coordenador de Operações), os agentes encontraram uma grande quantia em dinheiro. O oficial não foi encontrado no local.

Segundo nota do MP, os PMs integravam o 14° BPM (Bangu), inclusive os integrantes do Estado-Maior, e exigiriam pagamento de propina de comerciantes, mototaxistas, motoristas e cooperativas de vans, além de empresas transportadoras de cargas na área do batalhão. As propinas variavam entre R$ 30 e R$ 2,6 mil e eram cobradas diária, semanal ou mensalmente, como garantia de não reprimir qualquer ação criminosa, seja a atuação de mototaxistas, motoristas de vans e kombis não autorizados, o transporte de cargas em situação irregular ou a venda de produtos piratas no comércio popular de Bangu.

Os mandados de prisão contra os PMs foram expedidos após denúncia encaminhada pelo GAECO à 1ª Vara Criminal de Bangu. Entre os denunciados estão seis oficiais que eram lotados no 14° BPM (Bangu): o ex-comandante coronel Alexandre Fontenelle Ribeiro de Oliveira e o ex-subcomandante major Carlos Alexandre de Jesus Lucas – ambos lotados atualmente no Comando de Operações Especiais –, os majores Nilton João dos Prazeres Neto (chefe da 3ª Seção) e Edson Alexandre Pinto de Góes (coordenador de Operações), além dos capitães Rodrigo Leitão da Silva (chefe da 1ª Seção) e Walter Colchone Netto (chefe do Serviço Reservado). Também são acusados de integrar a quadrilha 18 praças e um civil.

dinheiro-major-edsonGrande quantia em dinheiro foi apreendida na casa do Major Edson

Ainda de acordo com a nota do Ministério Público, entre 2012 e o segundo semestre de 2013, os acusados e mais 80 pessoas, entre os quais policiais do 14° BPM, da 34ª DP (Bangu), da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM), além de PMs reformados, praticavam diversos crimes de concussão (extorsão cometida por servidor público) na área de atuação do 14° BPM.

De acordo com a denúncia, baseada em depoimentos de testemunhas, documentos e diálogos telefônicos interceptados com autorização judicial que compõem mais de 20 volumes de inquérito, “o 14° BPM foi transformado em um verdadeiro ‘balcão de negócios’, numa verdadeira ‘sociedade empresária S/A’, em que os ‘lucros’ eram provenientes de arrecadação de propinas por parte de diversas equipes policiais responsáveis pelo policiamento ostensivo, sendo que a principal parte dos ‘lucros’ (propinas) era repassada para a denominada ‘Administração’, ou seja, para os oficiais militares integrantes ‘Estado Maior’, que detinham o controle do 14º BPM, o controle das estratégias, o controle das equipes subalternas e o poder hierárquico”.

O MP informou que os acusados responderão na 1ª Vara Criminal de Bangu pelo crime de associação criminosa armada, que não consta do Código Penal Militar. A pena é de dois a seis anos de reclusão. Os integrantes da quadrilha também serão responsabilizados pelo Ministério Público pelos diversos crimes de concussão, que serão apurados pela Auditoria de Justiça Militar estadual.

 



 

Bandidos invadem baile funk no Morro do Fubá em Cascadura e levam pânico a moradores

homem-morto-tiroteio-morro-do-fubaFonte: O Dia

Rio – Uma tentativa de invasão no Morro do Fubá, em Cascadura, Zona Norte da cidade, ocasionou um intenso tiroteio durante a madrugada deste domingo. Cerca de 30 bandidos vestidos de preto invadiram a quadra de uma escola municipal, onde estava acontecendo um baile funk, e entraram na comunidade.

Um homem acabou morrendo, segundo informações do 9º BPM (Rocha Miranda), e outras pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier. A identificação do morto ainda é desconhecida. Também não se sabe estado de saúde e o número de feridos levados ao hospital.

Por volta de 3h40, um grupo armado de aproximadamente 30 pessoas, todos vestidos de preto, entrou na Escola Municipal Ruy Carneiro da Cunha, na Rua Ituna, em Cascadura. Na ocasião estava acontecendo um baile funk, e os bandidos teriam jogado uma granada no meio da quadra e também spray de pimenta nos frequentadores do baile. Muitos deles se jogaram no chão e buscaram abrigo nos banheiros da escola. A Creche municipal Gercinda Rosa Fonseca, que fica na Rua São Fernando, teria sido destruída pelos bandidos.

As suspeitas são de que a invasão tenha sido promovida por traficantes do Morro do 18 ou da Praça Seca. Atualmente o Fubá é controlado por milicianos. Há relatos de que um miliciano conhecido como Fabrício Palhacinho teria morrido durante o tiroteio.

De acordo com a Polícia Militar, o policiamento está reforçado na região, neste domingo, e a Divisão de Homicídios investiga o caso.

Áudio do tiroteio

 



 

Agentes do Degase controlam princípio de rebelião em Unidade na Ilha do Governador

Policiais do 17º BPM (Ilha do Governador) foram acionados para verificar um princípio de rebelião na Escola João Luiz Alves, internato masculino para adolescentes infratores, na Ilha do Governador. O motivo da confusão ainda é desconhecido, porém, segundo os policiais, o caso foi controlado rapidamente pelos próprios agentes da unidade e um grupo de vagabundos envolvidos no motim foi conduzido à 37ª DP (Ilha do Governador), onde a ocorrência foi registrada.

A polícia militar não entrou na galeria.

O princípio de rebelião aconteceu nos alojamentos A1 e A3, na galeria dos condenados por crimes ligados a facções. Os vagabundos destes dois alojamentos são do Comando Vermelho.

escola-joao-luiz-alves

 



 

Agente do Degase é agredido por menores infratores ao sair do trabalho

Rio – Um agente socioeducativo foi espancado após ser reconhecido por menores infratores no Centro da Cidade, no início da tarde de ontem, no Santo Cristo, Centro da Cidade.

O agente Cesar Mamédio trabalha no PI (Plantão Institucional). Ele foi reconhecido por cinco menores infratores quando saiu da 2ª Vara da Infância e Juventude.

O agente, que levou uma pedrada no rosto, foi encaminhado ao Hospital Souza Aguiar onde foi atendido e encaminhado para casa.

Apesar de trabalhar com criminosos diariamente, agentes do Degase não tem direito ao porte de arma para defesa pessoal e ficam a mercê dos vagabundos que conhecem a situação.

 



 

Operação da PM na Praça Seca serviu para expandir área de atuação das companhias destacadas

Rio – A operação da Polícia Militar na sexta-feira, 12 de setembro, tinha como objetivo fazer uma varredura buscando os marginais que aterrorizam os moradores e expandir a área de atuação da companhia destacada do São José Operário.

Segundo os planos do 9º BPM haverá uma base no alto do morro da rua Capitão Menezes e outra no morro da rua Doutor Bernardino.

morro-sao-jose-operario

morro-sao-jose-operario2Imagens cedidas pela Polícia Militar

 



 

Renan Menezes de Souza, suspeito de estuprar jovens em Jacarepaguá se entrega

Renan-Menezes-de-Souza-estupradorFonte: O Dia

Rio – Renan Menezes de Souza, acusado de estuprar uma jovem em abril deste ano, se entregou no Fórum Regional de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, na tarde desta quinta-feira. A informação foi confirmada pela assessoria do Tribunal de Justiça. Ainda segundo o TJ, Renan deve ser interrogado no local, que recebia audiência de instrução e julgamento sobre o caso

Renan é investigado por diversos crimes de estupro. O primeiro caso registrado contra ele foi em 2009, quando o acusado tinha 17 anos. Na época, mesmo sendo menor, Renan já dirigia um Honda Civic pela Zona Oeste. De acordo com a família da vítima, ele adotou a mesma tática: ofereceu carona e atacou a adolescente, na época com 13 anos. Nesse episódio, a promotoria informou que Renan teria ameaçado o padrasto da vítima, caso fizesse o registro, mas ele não se intimidou e procurou a polícia.

No mais recente caso, filho de dono de uma rede de supermercados e lutador de artes marciais, segundo a denúncia do Ministério Público, o réu, após dar uma carona para a vítima, levou-a para um local afastado e, com violência, praticou o crime. Ela contou ter sido atacada dentro do carro dele, nos fundos de um condomínio de luxo de Jacarepaguá, onde ele mora. A vítima disse que o rapaz a imobilizou, arrancou seu short e a estuprou. Informações juntadas ao processo apontam ainda que Renan tentou intimidar amigos da jovem, através de telefonemas e mensagens postadas no Facebook. Durante a investigação, outras duas adolescentes foram até a Delegacia da Mulher (Deam) para fazer a mesma queixa.

Portal lançou cartaz com recompensa

O Portal dos Procurados lançou cartaz com recompensa de R$ 2 mil reais, por informações que levassem a prisão de Renan. O juízo da 2ª Vara Criminal de Jacarepaguá, a pedido do promotor Eduardo Paes Fernandes, decretou a prisão preventiva ele, mas o rapaz não foi encontrado pela polícia e foi considerado foragido.

A periculosidade de Renan, segundo o juiz, é inquestionável, especialmente porque vem colecionando vítimas sexuais que se calam por medo de que algo ainda mais grave lhes aconteça. “Talvez acreditando que a sua condição social – classe média – lhe garanta alguma proteção jurídica, o acusado age como se pudesse fazer o que bem quisesse”, acrescentou.

O próprio perfil do lutador, segundo o juiz, recomenda a sua prisão cautelar para que se permita à vítima e às testemunhas a tranquilidade necessária para depor em juízo. Por isso, o promotor ressalta a importância de a Justiça manter a prisão do acusado. Ainda de acordo com decisão da justiça, o réu pretende o quanto puder pressionar as pessoas que irão depor, a fim de não incriminá-lo. Consta ainda em sua ficha uma anotação criminal por estupro e três ocorrências policiais também por estupro e perturbação do trabalho ou do sossego alheio.

 



 

Homem que tentou estuprar jovem na Barra da Tijuca fez outra vítima horas antes

estuprador-Ivanildo-Bezerra-AlvesRio – O homem suspeito de tentar estuprar a estudante de Direito Déborah Lima Costa, de 23 anos, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, fez outra vítima horas antes de atacar a jovem, de acordo com informações de agentes da 16ª DP (Barra da Tijuca). A mulher, que teve a identidade preservada, esteve na delegacia no dia seguinte ao episódio ocorrido com Déborah. Ele está preso. Os dois crimes ocorreram nesta segunda-feira, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Déborah espera que, com a exposição de sua história, mais mulheres passem a denunciar o crime.

– Um dos motivos de eu divulgar essa história é, sem dúvida, alertar outras mulheres e motivá-las a denunciar. A outra é alertar sobre esse crime ali na região – afirmou Déborah.

A jovem foi atacada, por volta das 21h, quando voltava do curso de inglês no bairro, nas proximidades do BarraShopping. O suspeito, identificado como Ivanildo Bezerra Alves, a abordou com um canivete, anunciando o assalto. Logo depois, ele teria a ameaçado de morte, caso ela não subisse na moto com ele. Os dois seguiram, então, até uma mata próximo ao Riocentro e avisou que iria estuprá-la. Déborah conseguiu escapar do suspeito, depois de sair correndo pela mata.

– Na hora, não pensei no que poderia ter no matagal. Só vi que depois do matagal tinha uma rua, onde estavam passando carros. Mergulhei em uma espécie de mangue duas vezes para fugir dele – contou Déborah.

A estudante revelou ainda que, antes da fuga, brigou com Ivanildo. Nesta ocasião, Déborah teria sofrido um ferimento no dedo causado pelo canivete do homem. Ainda segundo a vítima, Ivanildo pegou a moto e tentou dar a volta na mata para encontrá-la do outro lado. Entretanto, o suspeito sofreu um acidente e foi levado para o Hospital Lourenço Jorge, também na Barra da Tijuca. Ele quebrou a perna e segue internado na unidade de saúde, sendo acompanhando por policiais. Ivanildo vai responder pelos crimes de furto e tentativa de estupro.

Passado o choque, a estudante afirmou que não pretende mais fazer o trajeto de casa até o curso à pé.

– Meus pais ficaram mais preocupados do que eu. Eles sempre falaram para eu ir de carro, mas eu moro muito perto do curso, em menos de cinco minutos chego lá. De carro, perco tempo no trânsito. Mas, agora ou eu vou de carro ou vou acompanhada.

Prestes a se formar, Déborah quer seguir a área do Direito criminal. Seu trabalho de conclusão de curso é uma monografia sobre estupro. A jovem revelou que seu maior sonho é virar delegada.

– É meu perfil pensar antes de agir. Fui fria e calculista. Não chorei em momento algum. Não queria ser estuprada de jeito nenhum – disse Déborah.

vítima-estupro

 



 

Invasão de imóvel abandonado na rua Albano na Praça Seca tem apoio do deputado Brizola Neto

Rio – O número de famílias que chegam ao imóvel não para de aumentar, moradores da rua Albano relatam que quase todos os dias chegam caminhões de mudança e materiais para construção de banheiros e cozinhas. O imóvel que é particular já funcionou como um abrigo da prefeitura que parou de pagar o aluguel e ficou abandonado dando a chance de ser invadido.

Ao lado do imóvel invadido existe um outro também em ruinas que serve de comitê eleitoral do deputado estadual Brizola Neto, pode-se ver placas do deputado e do ex-governador Garotinho. Carros com adesivos da campanha do deputado estadual também são vistos diariamente, o lugar passa a impressão de ser uma espécie de depósito de material de campanha.

Pela quantidade de lixo que se acumula em frente ao imóvel dá para notar que já são muitas pessoas morando no lugar, este lixo é uma outra queixa de moradores da rua que reclamam dos ratos, mosquitos e do mau cheiro.

É óbvio que as famílias em situação de extrema pobreza tem o direito de moradia, mas o que acontece ali parece ser apenas exploração da miséria em troca de votos. O candidato da apoio aos invasores e depois da campanha, se for eleito, desaparece como todos os outros na história deste país e as pessoas que moram lá vão continuar desamparadas. No final sobrará para a PM fazer o trabalho que deveria ser social.

abrigo-ilegal-rua-albano-praca-secaEntrada do abrigo

abrigo-ilegal-rua-albano-praca-seca2Depósito de campanha

 



 

Homem tenta estuprar jovem na Barra da Tijuca e cai de moto durante a fuga

O homem é morador da rua Juranda na Curicica.


estuprador-Ivanildo-Bezerra-AlvesFonte: O Dia
Nicolás Satriano

Rio – Ivanildo Bezerra Alves, preso em flagrante por roubo e tentativa de estupro nesta segunda-feira, foi reconhecido por uma segunda vítima, que teria sofrido abuso sexual no mesmo dia, mais cedo. Segundo informações da 16ª DP (Barra da Tijuca), a outra vítima de estupro esteve nesta terça-feira na delegacia e também reconheceu o homem como autor do crime.

O segundo caso a ser registrado contra Ivanildo, na verdade, foi o primeiro a acontecer. Era o segundo ataque do criminoso em menos de seis horas. Às 21h de segunda-feira, Ivanildo havia tentado abusar sexualmente de Deborah Lima, de 23 anos, enquanto a jovem voltava para casa, também na Barra.

Jovem conta como fugiu de tentativa de estupro

A estudante de Direito Deborah Lima, de 23 anos, passou por momentos de verdadeiro terror ao sofrer uma tentativa de estupro, por volta das 21h desta segunda-feira, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Apesar disso, Deborah teve coragem e expôs o caso no Facebook, onde, na tarde desta quarta-feira, a publicação da jovem já chegava aos quase 2 mil compartilhamentos. Ela contou que, por meio do “post”, outras vítimas de tentativas e de efetivos estupros passaram a procurá-la para falar sobre casos que permancem impunes. Deborah contou ao DIA que está incentivando todas as vítimas a procurarem a delegacia mais próxima para denunciar o crime.

Atualização: Homem que tentou estuprar Deborah na Barra da Tijuca fez outra vítima horas antes

vítima-estupro

Deborah caminhava para casa depois de sair do curso de inglês, que fica dentro de um shopping, na Barra. Um trajeto que estava acostumada a fazer, segundo ela. “Eu imaginava que o percuso fosse perigoso, mas não às nove da noite”. Deborah disse que poderia fazer o caminho de carro, mas não achava necessário, pois mora bem perto do curso.

estuprador-Ivanildo-Bezerra-Alves-2Já no caminho, quando passava em frente ao centro empresarial do shopping, Deborah foi abordada por um homem em uma moto e foi anunciado o que seria inicialmente um assalto. A estudante disse ter apenas R$16 e o criminoso não acreditou: “Ele pediu para ver a minha bolsa em um lugar mais escuro e pediu para eu subir na moto”. A jovem contou que a intenção dela era saltar da moto, mas, o homem tomou a direção contrária à imaginada por ela e saiu a toda velocidade em direção à Avenida Salvador Allende, próximo ao condomínio Rio 2, também na Zona Oeste.

De acordo com Deborah, o crime foi, provavelmente, premeditado, porque o homem dispunha de dois capacetes. Ao chegar em um local isolado e sem calçada, o crimonoso parou a moto e, como a movimentação dos dois poderia parecer suspeita, o bandido pediu para que Deborah o beijasse. “Eu disse que não e que o máximo que faria seria abraçá-lo”. Depois, sempre ameaçando a vítima, conduziu Deborah por cerca de 30 metros por uma trilha que beirava um mangue. Ao chegar em um ponto de terra batida, o homem anunciou: “Eu quero você”. A jovem se desesperou e tentou entregar outros objetos de valor ao criminoso.

Negando as ofertas, o bandido tirou um grande saco plástico – o que reforça a tese da jovem de crime premeditado – e o estendeu no chão. Deborah pediu que o homem não a machucasse. “(Você) está começando a me irritar. Vou te matar”, rebateu o bandido, que sacou a suposta arma, guardada dentro de um saco plástico. No entanto, o bandido disse que não usaria o revólver, e sim um canivete. Em rápida distração do homem, Deborah tentou fugir, mas foi alcançada. Os dois entraram em uma luta corporal e o criminoso voltou a ameaçar a estudante, colocando o canivete em sua garganta.

Reconduziu a vítima puxando-a pelos cabelos até local de terra batida. O homem, então, começou a tirar a roupa e ordenou que a jovem fizesse o mesmo. Ela tirou as sandálias e perguntou se poderia levantar do lugar em que havia sido obrigada a deitar. “Apesar de estar de vestido, disse a ele que estava usando um short por baixo, e que precisava levantar para tirar”, contou Deborah.

Foi quando a jovem aproveitou a nova oportunidade e saiu correndo, desta vez, na direção contrária a que havia tentado anteriormente. A jovem acabou tendo vários arranhões, pois o caminho que tomou tinha um mato mais alto. O bandido, então, desistiu de segui-la e ela não sabe bem o porquê. Também na fuga, Deborah se lançou no manguezal, onde a água chegava até seus ombros. Ela conseguiu sair do matagal e chegar à Avenida Salvador Allende, onde se “enfiou” por meio dos carros, até que um senhor resolveu ajudá-la. Já dentro do carro, Deborah viu que mais a frente havia um acidente envolvendo um carro e um motociclista. Ela pediu que o motorista que a ajudou passasse perto da colisão: “Não reconheci o homem, mas ouvi a voz”. O senhor que ajudou a estudante ligou para a Polícia e emprestou outro celular a ela para que ela ligasse para os pais. Deborah acredita que o bandido ia tentar alcançá-la com a moto pelo outro lado da mata, mas acabou batendo em um carro e quebrando a perna.

O criminoso, identificado como sendo Ivanildo Bezerra Alves, foi preso em flagrante por roubo e tentativa de estupro. O caso foi registrado na 16ª DP (Barra da Tijuca).

 



 

Ladrão gravado invadindo casa na rua Doutor Bernardino é preso mas liberado em seguida

ladra-invadindo-casa-praca-secaRio – Um homem, que segundo a polícia, é morador de rua, foi flagrado por câmera de segurança invadindo uma casa na rua Doutor Bernardino no início de setembro para assaltar. O dono do imóvel prestou queixa à polícia e levou a gravação que pode ser vista abaixo.

Uma semana depois o homem retornou ao mesmo local para tentar novo furto, moradores foram alertados pelos cachorros e o vagabundo fugiu, minutos depois voltou e tentou novo roubo em prédio próximo à biblioteca da rua conseguindo roubar uma bicicleta, o dono da casa viu o ladrão e foi ameaçado aos gritos pelo homem que estava com um pedaço de pau, este morador também prestou queixa na 28º DP.

No dia nove o ladrão de bicicleta foi reconhecido na Praça Seca e preso por uma patrulha da PM, o morador assaltado acompanhou os policiais à delegacia mas como o homem não havia sido preso em flagrante foi liberado e só será preso quando (e se) for expedido um mandado de prisão. Difícil vai ser encontrar o pobre diabo que mora na rua e rouba bicicletas.

Vídeo de câmera de segurança

 



 

Áudio com a primeira sequência de tiros do confronto desta noite na Praça Seca

Pela segunda noite seguida, traficantes do Comando Vermelho que atuam no morro São José Operário entraram em confronto com milicianos do morro do Fubá em Campinho.

rua-doutor-bernardino-tiroteio-2

 



 

Áudio do tiroteio entre traficantes e milicianos nos morros da Praça Seca, 09/09/2014

Pela segunda noite seguida, traficantes do Comando Vermelho que atuam no morro São José Operário entraram em confronto com milicianos do morro do Fubá em Campinho.

Veja também:

Áudio com a primeira sequência de tiros do confronto desta noite na Praça Seca

rua-doutor-bernardino

 



 

Amanda Mocellin, filha de fundador da churrascaria Porcão ganha liberdade provisória

Amanda-Mocellin-1A Justiça do Rio concedeu, na noite desta segunda-feira, liberdade provisória à filha de um dos fundadores da rede de churrascarias Porcão, Amanda Mocellin, de 36 anos, presa na semana passada acusada de furto e injúria racial. Ela estava na Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Na decisão, o juiz Alberto Salomão Junior, titular da 33ª Vara Criminal do Rio, salienta que os advogados de defesa de Amanda apresentaram documentação indicando que “a indiciada seja internada para tratamento especializado em clínica psiquiátrica para tratamento de abuso e dependência de álcool”.

A liberdade de Amanda, entretanto, está condicionada ao cumprimento de algumas medidas cautelares, como a proibição de retornar ao local em que foi praticado o furto de um brinco, no caso, uma joalheria no Barra Shopping. Além disso, ela também está impedida de manter contato com as vítimas ou testemunhas do caso e de se ausentar do Rio por um prazo superior a oito dias. Ainda de acordo com a decisão judicial, Amanda terá que comparecer mensalmente em juízo ou sempre que for convocada, e ficar em casa no período noturno — após as 22h.

O caso

Amanda foi flagrada por funcionárias de uma joalheria no Barra Shopping, na última quinta-feira, escondendo na bolsa um brinco no valor de R$ 386. Uma funcionária, que pediu para não ser identificada, contou ter visto Amanda recolher a bijuteria, considerada uma semijoia. A vendedora esperou pela chegada da gerente do estabelecimento para tentar encontrá-la fora da loja. As duas, então, localizaram Amanda em um dos banheiros do shopping. Ao fazerem a acusação, afirmaram ter ouvido: “Vocês sabem quem é meu pai? Vocês são gentinha”.

Na delegacia, Amanda alegou que estava sob efeito de medicamentos no momento em que foi presa em flagrante. Ela também teria misturado bebida alcoólica aos medicamentos. A filha do empresário Neodi Mocellin passou a noite na 16ª DP (Barra da Tijuca) e, na ocasião, teve o pedido de liberdade provisória negado pelo plantão judiciário do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio.